quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Fazer yôga preserva memória e auxilia envelhecimento

Pesquisadores analisaram o cérebro de 42 idosas, todas em boa saúde, idade e escolaridade semelhantes, mas apenas metade adepta da prática
Por Karina Toledo, da Agência Fapesp
publicado em 17 de outubro 2017


A prática regular de yoga pode ajudar a preservar regiões cerebrais associadas a funções como atenção e memória de trabalho ao longo do processo natural de envelhecimento. É o que indica um novo estudo, feito no Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein.

Pesquisadores chegaram a essa conclusão após analisar, por meio de ressonância magnética, o cérebro de 42 idosas. Todas tinham condições de saúde, idade e escolaridade semelhantes, mas apenas metade das voluntárias era adepta da prática.



“Os exames mostraram que o córtex pré-frontal das mulheres que praticavam hatha-yoga há pelo menos oito anos era mais espesso quando comparado ao das não praticantes. Esse resultado sugere que o exercício tenha um papel de neuroproteção, retardando a degeneração cerebral que ocorre com a idade da mesma maneira que retarda a perda de massa muscular”, disse Rui Afonso, primeiro autor do artigo com resultados do estudo publicado na revista Frontiers in Aging Neuroscience.

A investigação foi conduzida durante o doutorado de Afonso, com Bolsa da FAPESP e orientação de Elisa Harumi Kozasa. Também colaboraram cientistas da Universidade Federal do ABC e da Harvard Medical School, nos Estados Unidos.



“Nos baseamos em um trabalho anterior de uma das coautoras [Sara Lazar, da Harvard Medical School], segundo o qual pessoas que praticavam meditação há pelo menos 10 anos tinham regiões do cérebro – algumas áreas do córtex pré-frontal e da ínsula – mais espessas que a de não praticantes”, disse Kozasa, que conduz o projeto de pesquisa “Efeitos da prática do yoga em pacientes com esclerose múltipla: uma abordagem multidimensional”.

Embora o estudo feito em Harvard tenha incluído indivíduos de idades variadas, a diferença na espessura cortical foi mais expressiva em pessoas idosas. “Decidimos, então, realizar o estudo apenas com idosos. Optamos pelo hatha-yoga por ser mais fácil encontrar praticantes de longa data e também por ser um exercício que tem um componente meditativo”, disse Kozasa.


Originário da Índia, o hatha-yoga é uma das técnicas de yoga mais disseminadas no ocidente. Envolve a prática de posturas físicas ou asanas (pronuncia-se ássanas) e também técnicas de respiração conhecidas como pranayamas, gestos (mudras) e contrações musculares voluntárias (bandhas).

Além de equilíbrio e força muscular, portanto, o exercício requer um esforço de atenção, concentração e até mesmo da chamada memória de trabalho – necessária para cumprir tarefas específicas, como a reprodução de algumas das centenas de asanas diferentes.

“Existem diversos estudos comprovando os benefícios do yoga, principalmente em relação ao alongamento e ao equilíbrio, mas também à memória e à atenção. Nossos dados vão ao encontro dessas evidências da literatura científica”, disse Kozasa.


A pesquisadora faz uma ressalva de que, para ter a certeza de que a maior espessura cortical observada é de fato resultado da prática de yoga, seria necessário acompanhar um grupo de voluntários desde antes de começarem a praticar o exercício.

“Por isso, pretendemos começar um novo estudo longitudinal [de longo prazo] com outros voluntários que ainda não praticam yoga, mas pretendem se tornar adeptos”, disse.
Fonte: https://exame.abril.com.br/

domingo, 5 de novembro de 2017

Desligue-se do mundo exterior


“Se você quer mesmo se mover em direção ao Real, comece dedicando pelo menos uma hora do seu dia para ficar consigo mesmo. Nessa uma hora, feche os olhos, desligue-se do mundo exterior e, somente observe os pensamentos, as emoções, as sensações - deixe passar.


Você é o céu que observa as nuvens. As nuvens sempre são passageiras. As nuvens de pensamentos, de emoções, de sensações...Não importa de onde elas vêm, para onde elas vão.



Apenas observe. Quando puder observar aquilo que é transitório sem se identificar, você terá encontrado uma saída desse labirinto.”



 
Sri Prem Baba. Venha conhecer o núcleo rua doutor césar 1166 Santana Zona norte São Paulo/ SP maiores informações:(11) 29508684



sábado, 4 de novembro de 2017

Memória de longo prazo

Aponta estudo brasileiro
Para quem pratica ioga, memória de longo prazo melhorou 20% e houve redução do estresse.
O trabalho, conduzido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), preenche uma lacuna nos estudos sobre o impacto neuropsicológico da ioga. A maioria carece de controles adequados que garantam o rigor ou a aplicação universal dos resultados (mais informações nesta página).

Diferentemente do que ocorreu nas outras pesquisas, desta vez ospesquisadores escolheram voluntários saudáveis que não praticavam ioga. Eles foram recrutados no Batalhão Visconde de Taunay, do Exército, em Natal (RN).




Os cientistas conseguiram autorização do coronel Odilon Mazzine Junior para realizar uma atividade atípica para o grupo de 17 soldados que participaram do estudo: ao longo de um semestre, eles praticaram uma hora de ioga, duas vezes por semana.

Outros 19 militares não participavam das aulas e serviram como grupo de controle. Isso é importante para que os resultados do grupo que praticou ioga possam ser comparados.


A coordenadora do estudo Regina Helena da Silva, do programa de Pós-graduação em Psicobiologia do Centro de Biociências da UFRN, pratica ioga há cerca de uma década, mas nunca tinha colocado o exercício sob a lente da psicobiologia, sua área de pesquisa.

Animou-se, no entanto, quando o biólogo Kliger Kissinger Fernandes Rocha pediu que ela o orientasse no doutorado do programa. Rocha é professor de ioga e reconhecia as limitações dos estudos sobre o tema. Por isso, sugeriu abordá-lo em uma tese. O trabalho, publicado na revista científica Consciousness and Cognition, é fruto desse interesse.



Os militares foram avaliados no início e no fim do estudo. Foram aplicados testes de memória e formulários para averiguar o nível de estresse e outras condições psicológicas, bem como testes fisiológicos.

"Notamos uma melhora de 20% na memória de longo prazo nos militares que praticaram ioga", afirma Rocha. "É um porcentual que indica um considerável ganho cognitivo."

Ele recorda que também houve uma diminuição no nível de estresse. "O cortisol (hormônio associado ao problema) presente na saliva diminuiu 50% no grupo da ioga", recorda o pesquisador, que aos 14 anos recebeu indicação médica para praticar ioga com a finalidade de atenuar as raízes psicológicas de uma gastrite nervosa.

Como não houve alterações significativas no grupo de controle, os pesquisadores descartam a atribuição da melhora aos exercícios físicos. Isso porque o grupo de controle realizava até mais exercícios do que o que se dedicou à pratica da ioga.



Mistério. Os cientistas afirmam que os mecanismos neurofisiológicos responsáveis pela melhora cognitiva e afetiva ainda são desconhecidos.

"Trabalhamos com a hipótese de que a meditação na ioga melhora a capacidade de concentração", explica Regina. "Contudo, a diminuição do estresse também poderia explicar a melhora dos resultados nos testes que avaliaram a memória."

Fonte: estadão.com.br

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Os asanas e a liberação de gases

Não sei se já aconteceu com você, mas acho difícil não ter acontecido. Refiro-me aqueles gases inconvenientes que teimam em se manifestar durante as aulas de yôga, sim, justamente naquele momento em que todos estão em alto nível de concentração, inclusive você, mas eis que algo começa a se movimentar lá por dentro, e e não é kundalini, e você sabe que não vai dar para segurar, nem que desfaça o asana rapidamente, e... pronto! já foi, enquanto você perdia a sua concentração na respiração e na postura, todo mundo ouvio e no pior dos casos, sentiu o acontecido. Relaxe! isso acontece nas melhores turmas de yôga!!! E que bom que acontece! Os asanas movimentam sua região abdominal, torcem, distorcem, massageiam seu intestino e aí... pronto! tu está livre dos terríveis gases que poderiam lhe causar desconfortos tais como dores, inchaço entre outros
Seguindo as recomendações de Dr Dráuzio   Varela. Observe o seguinte:
1> Evite bebidas gaseificadas ou efervecentes;
2> Coma devagar, mastigue bem os alimentos e não exagere no tamanho das porções;
3> Procure não falar demais durante as refeições, pois isso aumenta a deglutição de ar;
(http://www.drauziovarella.com.br/arquivo/arquivo.asp?doe_id=17)

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Assim como a flor de lótus

Assim como a flor de lótus que nasce na lama e se transforma. O YÔGA promove no homem o despertar da consciência.



sábado, 21 de outubro de 2017

Mudrá de lótus

Para quando se sentir só e incompreendido, pratique o mudrá de lótus. Este mudrá funciona no centro do coração. É um símbolo da abertura do coração à natureza e ao Divino. 


Em períodos de solidão e desespero, ajuda a desenvolver compaixão e aceitação do mundo exterior.